Lançamentos resenha

Resenha – Álbum | Cosmo Grão: Cosmo grão e o reflexo do que não se vê

Se partimos do pressuposto que a arte é o reflexo do que estamos vendo na sociedade, fica claro que o disco "Cosmo grão e o reflexo do que não se vê" não pode ser mais atual do que ele é.
Foto divulgação por Gio Simões.

Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” é o nome do novo disco da banda pernambucana de rock instrumental Cosmo grão.

A escuridão sempre nos privou de algumas coisas as quais nunca vamos saber quais são. A escuridão expressa um excesso de tristeza, melancolia, frieza. “Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” está nessa escuridão repleta de caminhos intransitáveis, mas em contrapartida de sonoridade com muita clareza.

São as guitarras do stoner rock que trazem o grave que nos guia pelo percurso sonoro e no completo breu causado pelas noites carregadas de poluição e pelo apagão da esperança do futuro que foi totalmente privatizada.

Mesmo sem palavras, “Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” parece tocar a todo instante na ferida da sociedade, na política fatídica que assola a nossa já emaranhada cabeça. É um disco com extremo significado que chega à estranheza, pois como na ausência de vocábulos conseguiu me deixar reflexivo sobre tudo isso?

As escolhas das linhas instrumentais criam uma atmosfera extremamente sólida e também insólita, não habitual ao que estamos mais acostumados a ouvir por aí nas camadas supérfluas.

Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” se apresenta no mais puro instrumental stoner rock de fortes flertes com o psicodélico e com a barulheira urbana de noites de inseguranças, seja nas ruas ou dentro do peito.

As experimentações estão escancaradas desde os primeiros instantes do disco. Rock progressivo, post-rock e shoegaze também aparecem ao decorrer da obra. A energia é contagiante, e as viagens delirantes.

O Disco

Capa do Disco

Incentivado pelo 1º Edital do programa de fomento à produção em música de Pernambuco – FUNCULTURA 2016/2017, “Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” foi composto entre os anos de 2017 e 2019 e foi pré-produzido sob o formato de residências criativas realizadas no home estúdio Glândula, Agreste de Pernambuco, e conta com o trabalho de gravação, mixagem e masterização do músico e produtor musical pernambucano Mathias Severien (Estúdio Pólvora/Recife).

Se partimos do pressuposto que a arte é o reflexo do que estamos vendo na sociedade, fica claro que o disco “Cosmo grão e o reflexo do que não se vê” não pode ser mais atual do que ele é.

______________________________

Encontre a Banda:

Ouça o Disco:

Leia Também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: