Lançamentos

Mini Mini Notas de Lançamentos da Semana #01

Mini mini notas rapidinhas sobre alguns lançamentos da semana (ou não) que você precisa ouvir e ficar de olho.

Salve galera, estou publicando essa Mini Mini Notas de Lançamentos da Semana aqui no blog e, apesar de ter colocado #01 no título, não sei se continuarei fazendo, afinal não tenho muito tempo para escrever. Talvez se eu continuar não será algo frequente também, pois aqui eu sou o rei do “começa e para”.

Enfim, serão mini notas rapidinhas sobre alguns lançamentos da semana (ou não), se gostarem do formato não esqueçam de deixar o recado que, quem sabe, me motiva a fazer mais vezes.

Ametista (EP) – Brune Motta

Capa do EP

Uma leveza entre o dream pop e o indie pop toma conta da primeira canção de Ametista, além, claro, de uma poesia declamada que escancara um lado romântico de Brune Motta, artista não-binária de Curitiba. E não apenas a faixa de abertura, que aliás se chama “Abertura”, traz esse lado romântico, o EP todo apresenta essa característica, sempre mesclando os ritmos entre MPB, pop, R&B, soul, pagode e poesia, além do dream pop e o indie pop já citados antes. A sonoridade se constrói aos poucos e se torna impossível não sentir-se envolvido.

Ametista é um baita trabalho de estreia, e só posso dizer para marcarem esse nome, Brune Motta ainda vai ganhar muito espaço, e espero que te conquiste como já me conquistou.

Ouça o EP:

Às Mãos Amigas (Álbum) – Matheus Mantovani

Capa do Disco

O álbum de estreia do músico paulista Matheus Mantovani traz uma mistura bem legal entre folk, indie e até um pouco da raiz sertaneja, aquela clássica mesmo, não esses enlatados. Me lembra um pouco Maurício Pereira e ainda mais a dupla Pereirinha e Pereirão, formada por Maurício e seu filho Tim Bernardes. Assim defino uma parte do disco, pois na outra parte Matheus Mantovani já traz em algumas canções outras misturas, como mescla de indie com jazz, guitarras com viola e por aí vai. Algumas vezes me lembrou as canções do Cícero também.

Gostei bastante pois traz uma cara da música caipira do interior de São Paulo de uma forma modernizada com características do indie e folk. Recomendo bastante. “Às Mãos Amigas” é um lançamento pelo Selo Mente Vazia.

Ouça o Disco:

Sonhadores na Zona da Morte (Álbum) – AlendaSz

Capa do Disco

A primeira vez que ouvi: Parece bom.
A segunda vez que ouvi: realmente é bom.
A terceira vez que ouvi: é bom pra cacete.

Sonhadores na Zona da Morte”, novo disco do músico baiano AlendaSz, é um show de versatilidade, segue aqui que vou te contar. Além de rap, o álbum tem pop, reggaeton, funk, brega funk, pagode baiano, reggae, ska, são tantas referências musicais nas canções que é até difícil descobrir todas. Ao mesmo tempo que tem músicas reflexivas e que mostram a realidade mais crua, também tem faixas que são ótimas para dançar.

O intuito do disco é pontuar os sonhos e adversidades de ser preto e periférico. Mostrar que não é apenas sobre a morte, dor, perda, ausência e ódio. O projeto vai contra os estereótipos impostos pela sociedade e revela uma demanda nesse circuito de sonhar e se manter vivo, a ideia é convocar novos olhares.

Ouça o Disco:

Weapon in My Hand (EP) – WRY

Capa do EP

Weapon in My Hand” é o novo EP da banda Sorocabana WRY. Este trabalho é um compilado de remixes trazendo, além da versão original da faixa “Weapon in My Head” (“Noites Infinitas”, 2020), mais duas versões remixadas, uma por Geztalt e outra por Yuro. Além disso, o EP traz remixes de canções presentes no disco “Flames in the Head”, de 2005, são elas “Don’t You Ever Call On My Name Agrain”, por Guy Langley e “Cancer”, por Ecstasy.

O novo EP expande o som do WRY a um horizonte elétrico, com linhas de baixo marcantes que definem o deep house brasileiro, sintetizadores sequenciados que ambientam a estética synth-pop moderna, e que também remetem aos anos 80; influências de Björk dos anos 90 e drum’n’bass clássico.

Anteriormente a banda já havia lançado versões remixadas da canção “Man In The Mirror”, e tem ainda mais por vir.

Ouça o EP:

Objetos Arremessados Pela Janela (Álbum) – Acidental

Capa do Disco

O disco de estreia da banda Acidental, fundada por Alexandre M. (Parachamas/ Mundo Alto) é uma obra que transita muito bem pelo indie com doses de lo-fi em alguns momentos, mas não se prende apenas a isso, as sonoridades flutuam confortavelmente por diversos estilos. Isso, aliás, é uma das propostas da banda.

Com certeza quem é fã de Terno Rei e Raça irá gostar do disco “Objetos Arremessados Pela Janela”, pois as três bandas apresentam uma grande consistência sonora, belas composições e uma pequena semelhança entre si, mas não, não é uma cópia, Acidental tem sua própria identidade.

Ouça o Disco:

O Samba do Homem Comum (Single) – andre L.R. mendes

Capa do Single

O músico baiano andre L.R. mendes apresentou sua nova canção “O Samba do Homem Comum“, que versa sobre a “Uberização” das relações de trabalho e traz os já característicos acordes de andre ao violão, mas não se configura como um samba, mas sim um rock modernizado. Mas no finalzinho da música até rola um sambinha.

O personagem da música sofre ao perceber que é pouco valorizado “Eu queria ser um pouco bem tratado, eu sou bicho delicado, o tal homem comum”, enquanto chega à conclusão de que o jogo social é extremamente injusto para quem está na sua situação e ao mesmo tempo sabe que nem lhe sobra o “direito” de esmorecer diante das cobranças que lhes são impostas o tempo todo. 

Ouça o Single:

What She Can’t Have (Single) – Caimans

Capa do Single

What She Can’t Have” é apenas o terceiro single lançado pela dupla paulista Caimans, formada pelos irmãos gêmeos Peder e Luca. A canção traz para a gente uma construção de pop dançante com influência de indie rock, acho que é bem automático ouvir a música e ficar com vontade de dançar. Acredito que a dupla ainda tem muito a explorar e trazer novas sonoridades pra gente.

Aliás, apesar de recente, a Caimans foi uma das atrações da 38ª Canadian Music Week (CMW), certamente a segunda mais importante feira de negócios e networking da música das Américas (atrás apenas da South by Southwest, SxSW).

Eles estavam prontos para tocar ao vivo na CMW 2020, em Toronto, mas o festival não aconteceu devido à pandemia da Covid-19. Porém, a dupla gravou uma performance profissional na cobertura de um prédio da capital paulista e apresentou na edição 2021 do festival.

Recentemente, o duo entrou para o cast da experiente Brain Productions Booking, do produtor e manager Carlo Bruno Montalvão.

Ouça o Single:

Ouça a Playlist de Indicações da Semana:

Leia Também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: